A Floresta da Morte (4/4) - Pedro Pereira

O lobo fechou os dentes em torno da garganta de um dos mercenários, arrancando-lhe a traqueia numa cena que mais parecia retirada de um filme de terror. 

Boris e os restantes capangas dispararam sobre o animal. O lobo saltou em direção a Boris e abocanhou o cano da arma, partindo-a em duas. 

Boris recuou atabalhoadamente e sacou da faca de mato. O lobo voltou a investir, mas o mercenário desviou-se com um movimento rápido, espetando a lâmina no flanco do animal. 

Ivan verificou por duas vezes se os seus olhos não o enganavam. Do flanco da criatura escorria sangue azul. 

Ferido, o lobo recuou e curvou-se sobre si mesmo. 

Boris celebrava já o golpe desferido quando o físico do animal começou a mudar. Aos poucos, o pelo que lhe cobria o corpo começou a ganhar uma tonalidade verde e a transformar-se em vegetação. O focinho da criatura encolheu e adquiriu um aspeto quase humano, revelando um rosto de pele azulada e longas barbas compostas por lianas. 

A criatura ergueu-se na sua forma humana. Devia ter uns dois metros de altura e parecia irritada. Com a mão direita, arrancou a faca de mato do dorso e atirou-a para o chão, lançando um grunhido aterrador. 

– Um Leshy! – exclamou Dimitri, que juntamente com Boris e os restantes mercenários se colocou em fuga. 

A tentativa de fuga não passou disso mesmo, de uma tentativa. Como que por magia, a vegetação e as árvores pareceram ganhar vida, rodeando os humanos em fuga. 

Imobilizado pelo medo, Ivan assistiu impotente aos seus companheiros a serem esventrados por ramos de árvores. Os gritos de dor preenchiam o natural silêncio da floresta. 

Quando os gritos cessaram, a criatura avançou para Ivan. 

– Eu avisei-te para deixares a floresta em paz, humano – declarou o Leshy com uma voz profunda. 

– O quê?! 

Diante dos olhos de Ivan, a criatura voltou a mudar de forma, desta vez para uma mais familiar. 

– Você?! 

– Sim, eu – respondeu Petrovitch. – Eu avisei-te e tu não me deste ouvidos. 

– Quem é você?! 

O Leshy voltou a assumir a sua verdadeira forma. 

– Eu sou Yaren, o senhor da floresta. Com um único golpe, O Leshy arrancou a cabeça de Ivan, fazendo-a rebolar pelo chão manchando-o de vermelho. A sua floresta estava a salvo, pelo menos pro agora…


Parte 3:
Parte 2:
Parte 1:

1 comentários:

André Nuno disse...

:)
Confesso-vos que contos e algum fantástico não são bem a minha praia mas não seria por isso que deixaria de vir aqui dar os parabéns e incentivar-vos a continuarem a fazer o que gostam, com cada vez mais qualidade. Desejo que a crescente divulgação traga à vossa presença e conhecimento todos aqueles que amam este género e que dele se alimentam.
Um abraço!

Enviar um comentário